22.8.16

Desafio das 52 semanas - Tema 33: Tenho medo de...

Opa, parece que alguém está atrasada. Mas antes tarde do que mais tarde, a última semana foi uma bagunça e eu nem lembrei que existia um D52 a ser feito. Também não pedirei desculpas, todo mundo sabe o que dizem sobre a falta de tempo e tal. Vamos ao tema então...

Eu meio que tenho para mim que eventualmente todo os nossos medos se tornarão realidade, mas escrevendo isso dizer todos parece precipitado demais. É só que quando você pensa e fica sentindo medo de algo, parece muito mais fácil que aquilo venha para você. Talvez fosse mesmo o inevitável e a parte do cérebro responsável pelo medo só estivesse antecipando as coisas, mas talvez nossa paranoia fez com que isso viesse para nós, não sei. Talvez ambas as coisas estejam certas.

E pode ser por isso, ou por não ser muito preocupada com as coisas num geral, eu não penso nos meus medos, na verdade, eu nem sei direito quais são eles. Talvez a facção (audácia — que no meu coração sempre será destemor) também tenha a ver com isso, e sim, sou divergente até demais, mas precisava jogar o sangue em alguma pira, né. Sim, às vezes, eu penso na amizade, mas vamo que vamo. Foco, Helena. No meio tempo entre ler o tema e então voltar aqui depois de dias, eu pensei em três medos, não eu não sou A corajosa, também não sou A medrosa — embora às vezes me sinto mais medrosa que corajosa—,  mas sei lá, tem coisa que a gente nunca sabe se é medo ou outra coisa, tipo a sensação de estar em risco quando se está na borda de algo alto.

Enfim, isso me faz pensar que eu sempre quis saber quantos medos eu enfrentaria na minha paisagem do medo.

Tema 33: Tenho medo de...


Perder tempo: toda vez que penso no futuro, na minha idade, nas coisas que eu poderia estar fazendo, sabe essas tretas, fico ansiosa. É um medo diferente, num é bem uma coisa paralisante, é mais uma coisa que te faz sentir meio sufocada e aí você empurra pro fundo da mente. Tenho medo de chegar ao fim da vida e perceber que não fiz nada dela. Medo de falhar na vida,

De ficar sozinha: Eu gosto de ter pessoas, de gente para se encontrar, pra sorrir junto, abraçar, dar carinho e ter conversas que te fazem sentir bem dentro de si e do mundo. Eu preciso dos meus momentos sozinha como todo mundo, mas isso é diferente de ser sozinha num plano geral.

De coisas ou lugares que me fazem sentir em risco: como ficar  de pé na boda de lugares muito altos (hahah). Medo de altura talvez, também.

Acho que é o suficiente, eu não gosto de falar de medos, não gosto de me sentir medrosa e quero começar essa semana bem. Tchau tchau, e não se esqueça, você sempre pode falar comigo pelos comentários!

Continuem corajosos!

12.8.16

O amor e o tempo

O TEMPO 

Tudo cura o tempo, tudo faz esquecer, tudo gasta, tudo digere, tudo acaba. Atreve-se o tempo a colunas de mármore, quanto mais a corações de cera! São as afeições como as vidas, que não há mais certo sinal de haverem de durar pouco, que terem durado muito. São como as linhas que partem do centro para a circunferência, que, quanto mais continuadas, tanto menos unidas. Por isso os antigos sabiamente pintaram o amor menino, porque não há amor tão robusto, que chegue a ser velho. De todos os instrumentos com que o armou a natureza o desarma o tempo. Afrouxa-lhe o arco, com que já não tira, embota-lhe as setas, com que já não fere, abre-lhe os olhos, com que vê o que não via, e faz-lhe crescer as asas, com que voa e foge. A razão natural de toda esta diferença, é porque o tempo tira a novidade às coisas, descobre-lhes os defeitos, enfastia-lhes o gosto, e basta que sejam usadas para não serem as mesmas. Gasta-se o ferro com o uso, quanto mais o amor? O mesmo amar é causa de não amar, e o ter amado muito, de amar menos.

Primeiro remédio — Sermão do Mandato. Pe. Antônio Vieira (1643)
"...sobre as palavras que tomei, tratarei quatro coisas, e uma só. Os remédios do amor e o amor sem remédio..."
 ***

As linhas que partem do centro da circunferência é como o amor de mãe que continua mesmo quando os filhos voam para longe, o amor menino são os cúpidos, que jamais são velhos. E "o ter amado muito, de amar menos" é sobre os receios que levamos para o amor que segue aquele em que amamos demais e com tudo de nós.

Esse texto é o tipo de coisa para quais a gente é apresentada, no início de uma noite de quinta em algum ponto no meio da rodovia, porque sua amiga é estudante de Letras. E eu precisava guardá-lo em algum lugar. O último paragrafo é uma transcrição com minhas palavras das palavras dela.

-H.

9.8.16

Desafio das 52 semanas - Tema 32: Ainda quero aprender...

Escrevo esse post ao som do meu vício do dia, que descobri através de uma playlist da Intrínseca. O vício , a playlist e o meu spotify.

Deu uma paz ver que o tema da semana é algo bem legal. Eu gosto de aprender coisas, eu gosto de coisas novas, então eu posso ter algumas opções entre as quais escolher para listar aqui. Vamos ver.

Tema 32: Ainda quero aprender... 


Nadar: Eu sou metade sereia, e isso já não é mais um segredo. Amo água, e se tiver a oportunidade de entrar em uma a gente aproveita, mas eu não sei nadar, nem mergulhar, nem boiar, nem nada, nadinha. Eu entro na água pra ficar sentadinha no raso ou brincando de forma segura sem deixar a água ultrapassar acima do meu umbigo, porque daí pra cima a atenção para não desequilibrar cair e morrer é grande hauahauha

Tricotar: Minha alma é velha - q Tá na minha 101/1001 e é uma coisa que há tempos que quero aprender a fazer. Eu já sei fazer crochê, aprendi aquando tinha 8/9 anos, porque via minha mãe fazendo e adorava (EU SOU DAR ARTES). Eu até comecei a aprender tricô no começo das férias, mas dei uma parada e a preguiça tá grande. Enfim, ainda terei um suéter, inda terei um suéter tricotado por mim mesma!

Falar inglês: Vergonha para mim e para minha vaca, porque há anos digo isso e há anos eu enrolo e não me dedico </3 Mas é, ser fluente na língua, ter confiança para ir pro exteriorTM, ler obras, artigos, etc em inglês. Entender as músicas, os trailer e filmes sem legendas...

Andar de bicicleta: Segurem os comentários chatos porque já ouvi eles a vida toda. Sim, eu sabia, sim, eu já andei, sim, eu amava andar. Mas demorei muito tempo para ganhar uma bicicleta maior e sem rodinhas quando não cabia mais na antiga e aí não consegui aprender depois. Quero muito (re) aprender, e ainda vou voltar a pedalar!

Usar vírgula: hauahauha eu não sabia se colocava isso ou "web designer" ou "sentar corretamente", mas como veio primeiro a tal vírgula na cabeça, aqui estamos. Eu uso vírgula demais, demais mesmo. E vivo em dúvida em alguns momentos. Sei o básico, de explicação, sujeito e tal, ou seja, falta um pouco aí. E para mim que escrevo, é uma coisa mais do que útil.

***

E você o que ainda quer aprender nessa vida?

3.8.16

Desafio das 52 semanas - Tema 31: Quando não tenho nada para fazer, gosto de...

Tá um pouco confuso (pra mim) esse tema por motivos de que, às vezes, faço tal coisa quando não tem mais nada pra fazer e, às vezes, considero ela uma das que precisam ser feitas independente de outra coisa, então veremos:

Quando não tenho nada para fazer, gosto de...


Ler newsletters: às vezes, trato como coisa necessárias, às vezes, de se fazer quando tô atoa, independentemente disso, é bem bom, recomendo! Como já disse aqui assino várias e escrevo para Tertúlia.

Ler posts dos Buzzfeed: Deitada na cama ou no sofá, de preferência, alguns me tirão boas risadas, é ótimo.

Sonhar acordada: Esse blog não chama Luftmensch atoa, afinal de contas. Segunda feira voltando da faculdade me deixaram uma meia hora sozinha no banco a noite, e várias páginas de coisas do universo paralelo escritas na minha mente. ás vezes, sou mais produtiva e sonho com histórias.


Deitar meu corpinho no sofá e contemplar: "manhãs são para café achocolatado e contemplação", ok, isso só é possível quando minha mente tá em paz e não surtando por eu estar atoa, e muitas vezes eu estrago minha contemplação ficando no celular.

Deitar no sofá e conversar com os migues: seja por mensagem ou áudios loucos e longos, aqui vemos como considero o sofá de casa uma coisa importante e conversar, bem é conversar, né <3

30.7.16

23 coisas que eu diria para a Helena de 14 anos

  1. Aproveita o primeiro colegial com tudo que você puder jogando truco, conversando com seus amigos e lendo.
  2. Sei que você está lendo mais do que leu a vida toda, e isso é maravilhoso, leia mais, leia o tanto que você quiser e puder.
  3. Comece a cuidar do cabelo mais cedo, vai. Sei que você está começando a gostar mais dele, orgulhosa de você <3 Procure sobre vídeos de finalização e hidratação. Uma palavra? Fitagem. Hidrata esse cabelo, mulher. 
  4. Para de alisar a franja, pelo amor de Deus.
  5. Descolore a coxa, NÃO RASPE. 
  6. Mantenha giletes longe de tudo que não for sua axila e sua perna (joelho para baixo) arranje outro métodos! Eu tô falando sério.
  7. Talvez seja tarde demais agora, mas não se feche. Te magoaram eu sei, mas você vai descobrir, talvez já até saiba, que é tão mais e melhor que tudo isso.
  8. Ame (mais) os seus amigos. Ame tudo que você puder... Menos meninos idiotas. 
  9. Nunca admita seu crush no colega de classe. Não, nada ruim aconteceu, é bom admitir sentimentos, mas você vai se constranger toda vez que lembrar disso no futuro. 
  10. Pelo amor que você tem a sua paz, não compre windows phone. Espere até achar um celular com memória interna boa e entrada para cartão de memória. Se venda pros andrioids. Eles são mais feios, mas te dão menos trabalho. 
  11. Você ainda tá no tumblr? Dá um tempo nele. 
  12. Você tem resistência a insulina, é por isso dessas manchas que você tanto odeia. Tenta comprar menos doces, descontar menos a ansiedade na comida e caminhar, vai ajudar.
  13. Não leia Abbi Glines. 
  14. Não deixe a Maíra te contar tudo que acontece em Divergente, leia esse livro! Ou talvez deixe, sua vontade só vai vir quando descobrir o grande spoiler. Sua loka.
  15. Seja mais corajosa, comece a trabalhar isso. 
  16. Essa cidade não é muito para você, não deixe que façam você pensar que a errada é você.
  17. Larga mão de fazer amizade com a sua prima. Larga mão. Péssimos roles. Se não quiser largar, não vá na festa junina no segundo dia. 
  18. Quando você comprar um all star, compre band-aids. Sério, compra os band-aids, a parte de trás do seu pé agradecerá.
  19. Passe menos tempo no Facebook, vai ler, ver uns filmes, conhecer outros site, sei lá. Conheça o download por Torrent, vai te ajudar com os filmes. 
  20. Mais importante: descurta todas essas páginas sobre livros, spoiler demais que vai estragar muitas histórias. Relevância de menos.
  21. Não descolora a mecha na nuca. Vai ser uma das piores coisas que você fará com o teu cabelo, não volta depois, só quando crescer.
  22. Mais importante do que tudo que já disse:  Não vá para F. aos sábados em 2013.  De jeito nenhum. Lugar errado, pessoas erradas, hora errada em agosto, fique em casa. Por favor. Dorme. Não vai te trazer e nada de bom, só coisas ruins. 
  23. As coisas podem parecer ruins, mas vão melhorar, só continue firme. Os livros tem sido mais do que divertimento, continue com eles por perto. Eu confio em você, ainda que tenha parecido chata te mandando não fazer ou parar de fazer coisas. Você vai me desobedecer, e tudo bem, né? Mas depois vai querer que não tivesse. Amo você.
***

Isso aí é uma corrente do Facebook, no entanto  não faz meu tipo responder correntes lá aí trouxe para cá. A idade foi a Giu que me deu porque comentei "açaí" na publicação dela. Caso queiram responder (em blog ou no Facebook), comentem "queijadinha" aí que dou uma idade ou usem a que usei, mesmo, você quem sabe!

29.7.16

Desafio das 52 semanas - Tema 30: Fico impaciente com pessoas que...

Vamos começar post bad vibes com sentimentos bad vibes envolvidos, e esse é o único motivo pelo qual não reclamarei deste tema. Desculpem o paragrafo e desculpem qualquer coisa. Um apelo antes de mais nada: TIREM ESSAS COISAS RUINS DE MIM.

 Tema 30: Fico impaciente com pessoas que...


São impacientes: Gente impaciente em cima de mim, eu fico louca eu fico impaciente também e nada dá certo no final. HORRÍVEL. Vamos relaxar, ok? Ok! 

Me apressam: Sofro demais, dá pra contar nos dedos quantas vezes, de fato, me atrasei para algo, não me lembro de ter chegado em nada atrasada por minha causaou ou por minha causam em toda a minha pequena longa vida, ou seja, num tem motivo pra me  apressarem. Mas me apressam e eu quero morrer 9 em 10 vezes. Isso falando só de sair de casa, quando estou em loja e as pessoas começam a me apressar eu desisto de tudo. Eu não sei porque tanta presa nos serumanuzinhos, vamos com calma, eu já tendo a ser acelerada por mim mesma algumas vezes.

Me impedem de chegar em algum lugar enrolando no caminho: Alguém entendeu isso?  Então, tá. Elas me apressam, elas começam a enrolar e eu é quem fico esperando no final porque elas estão atrasadas AAAAAAAAAAA E isso sempre acontece quando preciso ir em algum lugar que quero muito ir. 

Me apressam para acabar chegando em tal lugar 1 hora antes da hora: tipo??? Eu preciso de paz na minha alma e esse tipo de evento me tira toda a fé na racionalidade humana e a tal paz também.

Enrolam: Quando você precisa de algo da pessoa e ela enrola e enrola e enrola e não faz a coisa logo e você não consegue entender o porque além de pura enrolação deliberada. ME AJUDA AQUI, PESSOA.

***

Eu só falei de gente me apressando, S O C O R R. Acho que alguém aqui precisa resolver certas questões e parar de ser apressada pelas outras pessoinhas hauahua Mas as bad vibes estão indo embora e agradecimento especial a playlist da Tertúlia!

Até a próxima semana e  até lá me digam nos comentários, você fica impaciente com pessoas que...? 
Enfim, minhas aulas devem começar na próxima semana e não sei como isso afetará o blog, mas cedo ou tarde o semestre sempre afeta de alguma forma, então veremos.

20.7.16

Desafio das 52 semanas - Tema 29: Filmes que me falam ao coração

Começo a escrever em dúvida se esse tema terá um ou dois tópicos. Primeiro porque, ainda, não sou uma dessas pessoas que vêm bastante filmes. Na verdade, eu sou aquela que não viu os que todo mundo já viu. Helena, você nunca viu Lagoa Azul? Quase 100% de certeza que não.  E, segundo, porque filmes são narrativas mais difíceis de me falar ao coração. Eu poderia fazer um texto explicando os três motivos e dar provas, mas acho que principalmente, porque nem sempre dá para pro filme falar ao teu coração logo de cara. É necessário uma certa repetição daquele filme na sua memória, e também e viver e rever alguns trechos dele depois, o que eu quase  nunca paro pra fazer.

 Tema 29: Filmes que me falam ao coração 


Begin Again (Mesmo Se Nada Der Certo): Eu acho esse filme tão maravilhoso. Ele é o primeiro filme que eu penso em dizer que é meu preferido. Ele tem cortes de câmera que eu não acho que dão muito certo com facilidade, mas deu nele. Ele tem músicas que hoje em dia me deixam !!!!, embora na primeira vez que ouvi elas não achei todas tanta coisa assim. Ele tem um apresentação no final que dói o coraçãozinho. Ele tem um final que eu achei lindo. Ele tem uma cena que envolve música e Nova York... pera todas envolvem, vamos de novo, ele tem uma cena dos protagonistas por Nova York ouvindo música, andando, conversando, dançando que é uma coisa maravilhosa. Ele passa em Nova York! Ele me fez sentir coisas demais numa repetição de cena, que foi quase como assistir o filme outra vez em dezembro ou janeiro. Ele consegue ser engraçado e triste e animado. E me fez rir, e ficar dando dancinhas na cadeira. Ele tem uma amizade tão linda que ♥ 

E um trailer que eu só vi agora, mas não colocarei aqui porque mostra a cena engraçada o que pode estragar a surpresa. E não, não vá ver esse filme agora, por favor, não vá, porque eu sei que criei expectativas e elas podem te deixar achando tudo ruim, quando você poderia, pelo menos, achar ok. Eu sei que ele também tem problemas e uma cena com teor machista, que poderia ter sido arrumada, ainda que ele consiga não reproduzir certos problemas que sempre aparecem em filmes com protagonista mulher. 

Zootopia: Quase não coloquei, verdade. Por quê? Porque eu tava louca. Ainda que eu tenha ficado querendo ver no cinema quando estreou, eu só vi há algumas semanas e nem revi cenas maravilhosas ainda. E tem tantas! Eu me apaixonei demais por esse filme. É uma animação fofa e engraçada, tem uma amizade entre mulher e  bicho macho e bicho fêmea que eu até hoje não sei lidar, sim, meu mais forte brotph. Tem umas críticas sociais que me deixam *0*, chama atenção pra assuntos importantes, tem reviravoltas e personagens fofinhos demais. Personagens tridimensionais!! Me fez sentir iwrihdajdhjakdag e horrível por desconfiar de certa "pessoa" quando já tava longe de desconfiança. Tem uma arte linda de morrer e uma protagonista forte. E é uma animação tão perfeitinha que aí ♥♥